e-escola

Bertrandite Intermédio

Publicado em 16/12/2009 

Composição

MinérioGlossário de Be

Outros minerais de Berílio: Barilite, Berilonite, Berilo, Helvite, Herderite, Milarite, Crisoberilo, Eudidimite, Fenacite.

Nome: Bertrandite.

Fórmula química: sorossilicato de Berílio, Be4(Si2O7)(OH)2.

Teor teórico em Be: 15.13% (BeO 42.00%).

Nomenclatura: homenagem ao mineralogista francês, E. Bertrand.

Agregado radiado de bertrandite sobre matriz

Fig. 1 – Agregado radiado de bertrandite sobre matriz. Mina de Golconda, Minas Gerais, Brasil. Fonte: Rob Lavinsky (irocksLink externo).

Composição química:

Teórica (elementos) 15.13% Be, 23.58% Si, 0.85% H, 60.44% O

Teórica (óxidos) 7.56% H2O; 50.44% SiO2; 42.00% BeO

Pode conter Al, Fe e Ca como impurezas.

Teor comum em BeO: 39.6 a 42.6%.

Referências: o mineral bertrandite foi descoberto perto de Nantes, França, em 1883. Damour atribuiu o nome em homenagem a Émile Bertrand (1844-1909), mineralogista francês que o descreveu pela primeira vez em 1880.

Variedades e gemas
  • Gel-Bertrandite ou Esferobertrandite: descrita originalmente como uma variedade vítrea e coloidal ou criptocristalina da Bertrandite, rica em Be e moléculas de água. Encontrada pela primeira vez, em 1957, no maciço de Lovozero, na península de Kola, Murmanskaja Oblast, região norte da Rússia. O nome original gel-bertrandite, atribuído por E.I. Semenov, faz alusão à semelhança química com a bertrandite. O nome aceite actualmente, esferobertrandite, alude à morfologia tipicamente esferolítica. É considerada como uma espécie mineral distinta (aprovado em 2001, pela CNMMN IMA), pois tem características distintas da bertrandite, como a composição química, a simetria e o tamanho da célula unitária. A esferobertrandite é um nesossilicato, de fórmula química Be3SiO4(OH)2, monoclínico, de dureza e densidades inferiores às da bertrandite, 5 e 2.46-2.54 g/cm3 respectivamente.
  • Localidades importantes: Província de Hunan, China; Vestfold, Noruega e Península de Kola, Rússia.
  • Curiosidade: A variedade de bertrandite proveniente de Spor Mountain, Utah, tem propriedades físicas e químicas que a colocam entre a bertrandite e a gelbertrandite.
ScreenShot da Aplicação
Flash Icon
A visualização deste conteúdo requer a instalação do

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
 

Tópicos Relacionados

  • Berílio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 06/11/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Berilonite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 16/12/2009 | Minerais | Intermédio

 

Referências Bibliográficas

  • [1] Almeida, C.M.P., Estudo do filão aplitopegmatítico da mina da Bajoca, Almendra. Contribuição Científico-tecnológica, Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Porto, 2003.
  • [2] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [3] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [4] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [5] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [6] Clark, A.M., Hey’s Mineral Index: Mineral Species, varieties and synonyms, 3ª. Ed., Chapman & Hall, 1993.
  • [7] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [8] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [9] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [10] Emsley, J., The Elements, Claredon Press, Oxford, 1991.
  • [11] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [12] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [13] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [14] Gomes, C.L. & Nunes, J.E.L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, M. Portugal V. Ferreira (Coord.), A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos, Imprensa da Universidade Ed., Coimbra, 2003, pp. 85-109.
  • [15] Grew, E. S., Reviews in Mineralogy & Geochemistry, Beryllium – Mineralogy, Petrology and Geochemistry, Mineralogical Society of America, 2002.
  • [16] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [17] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [18] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [19] Hurlbut, C.S. Jr. & Switzer G.S., Gemology, Johnn Wiley & Sons, Inc., 1979.
  • [20] Jesus, A.M., Pegmatites Mangano-litiníferas da Região de Mangualde, Com. Serv. Geol. Portugal, 1993, 65-210.
  • [21] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [22] Lima, A.M.C., Estrutura, mineralogia e génese dos filões aplitopegmatíticos com espodumena da região Barroso-Alvão, Tese de doutoramento em Ciências, Departamento de Geologia, Centro de Geologia, FCUP, Porto, 2000.
  • [23] Manutcherhr-Danai M., Dictionary of gems and geomology, Springer-Verlag, 2000.
  • [24] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [25] Neves, M.O., Caracterização químico-estrutural e petrográfica das micas litiníferas da mina do Castanho Nº1 (Gonçalo-Guarda), Tese de mestrado em Geoquímica, Departamento de Geociências da Universidade de Aveiro, Aveiro, 1993.
  • [26] Pereira, M.F.C, Estudo mineroquímico interpretativo da evolução da alteração de fosfatos de manganês – triplites de Mesquitela (Mangualde), Departamento de Geociências da Universidade de Aveiro, 1994.
  • [27] Pereira, M.F.C, Análise estrutural e mineralógica do aparelho pegmatítico de Pereira de Selão (Seixigal) - Vidago (N de Portugal), Tese de doutoramento em Engenharia de Minas, Departamento de Minas, IST-UTL, Lisboa, 2005.
  • [28] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [29] Ramos, J.M.F., Mineralizações de metais raros de Seixo Amarelo– Gonçalo (Guarda). Contribuição para o seu conhecimento, Tese de doutoramento, Fac. Cienc. Univ. Lisboa, Lisboa, 1998.
  • [30] Rewitzer, C. Wald, F. & Roschl, N., 1984, Portugal (Mangualde), Lapis Mineralien Magazin, 9, (12) pp. 21-26.
  • [31] Schnorrer-Kohler, G. Bendada, 1991, ein Phosphatpegmatit im Mittelteil Portugals, Lapis Mineralien Magazin, 5, pp. 21-33.
  • [32] Smirnov, V. I., Ore Deposits of the USSR, Pitman Publishing, 1997.
  • [33] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [34] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento