e-escola

Crisoberilo Intermédio

Publicado em 11/03/2010 

Composição

MinérioGlossário de Be

Outros minerais de Berílio: Barilite, Berilo, Berilonite, Bertrandite, Eudidimite, Fenacite, Helvite, Herderite, Milarite.

Nome: Crisoberilo.

Fórmula química: óxido de berílio e alumínio - BeAl2O4.

Teor teórico em Be: 17.10% (BeO 19.70%).

Nomenclatura: o nome deriva do grego Chryso, termo que alude à cor dourada frequente no mineral.

Maclas cíclicas de crisoberilo

Fig. 1 – Maclas cíclicas (sixling) de crisoberilo (variedade alexandrite). Masvingo, Zimbabué. Fonte: Rob Lavinsky (irocksLink externo).

Composição química: Al2O3 80.30%; BeO 19.70%.

Teor comum em BeO: 16.90% a 19.70 %. As análises encontradas na literatura revelam a presença de algum Fe, Ti, Ca, Mg e H2O, que podem estar associadas a inclusões de outros minerais no crisoberilo. O Cr e o Sc estão presentes em algumas variedades do mineral ou estão associados a ocorrências particulares.

Referências: utilizado como gema ou como fonte de berílio. É pouco conhecido no mundo das gemas, mas algumas das suas variedades são famosas. Em 1789, Werner identificou o mineral como Krisoberil e, em 1798, Haüy referiu-o como Cimophane.

Variedades e gemas
  • Alexandrite Player – gema que apresenta pleocroísmo e variação de cor em função do tipo de luz incidente – conhecido como efeito alexandrite: verde escuro (luz natural); vermelho cereja (luz artificial). A cor é atribuída à presença de crómio. O nome, atribuído em 1842, surgiu em homenagem ao czar da Rússia Alexandre II, pois esta variedade foi descoberta no dia do seu aniversário em 1830, em pegmatitos de Takova, perto de Ekaterineburgo, no flanco Este dos Urais, local também conhecido pelas suas esmeraldas e fenacite. Pode ocorrer com efeito de olho-de-gato. Existem actualmente vários tipos de alexandrite sintética, mas que não são utilizados como gema.

    Localidades típicas: Rússia, Brasil, Tanzânia (variedades mais bonitas), Sri Lanka, Índia, Madagáscar e Tasmânia.

  • Cimófano Player – variedade gemológica rara de crisoberilo amarelo ou azul, opalescente, com efeito de olho-de-gato asterismoGlossário. Por fricção produz electricidade estática.

    Localidades típicas: República Democrática do Congo, Sri Lanka, Índia, Brasil.

    Existem algumas variedades de cimófano, que para os hindús têm as seguintes designações: (1) brahmin, olho-de-gato branco com nuances azuis; (2) kshatryia - olho-de-gato branco com nuances vermelhas; (3) olho-de-gato amarelo com reflexo azul; (4) olho-de-gato azul.

  • Crisólito Player – nome não científico dado em Portugal e no Brasil ao crisoberilo amarelo a amarelo esverdeado pálido, muito utilizado nos séculos XVIII e XIX. Esta designação presta-se a algumas confusões pois também era utilizada para a olivina (dureza substancialmente inferior) e para outras gemas, sendo esta designação seguida do local de proveniência.
ScreenShot da Aplicação
Flash Icon
A visualização deste conteúdo requer a instalação do

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
 

Tópicos Relacionados

  • Berílio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 06/11/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Ferro

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 10/04/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Magnésio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 19/10/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Berilonite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 16/12/2009 | Minerais | Intermédio

  • Bertrandite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 16/12/2009 | Minerais | Intermédio

 

Referências Bibliográficas

  • [1] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [2] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [3] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [4] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [5] Clark, A.M., Hey’s Mineral Index: Mineral Species, varieties and synonyms, 3ª. Ed., Chapman & Hall, 1993.
  • [6] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [7] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [8] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [9] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [10] Ferreira, M. D., Silva, V., Lima, M. F. & Gomes, C.L., Anatomia de algumas ocorrências de gemas e seu enquadramento em protocolos de ordenamento territorial - contributo para uma reflexão sobre o estatuto dos depósitos gemíferos portugueses, Cad. Lab. Xeol., Laxe 24, 1999.
  • [11] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [12] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [13] Gomes, C. L., Estudo Estrutural e Paragenético de um sistema pegmatóide granítico. O campo aplito-pegmatítico de Arga-Minho (Portugal), Universidade do Minho, 1994.
  • [14] Gomes, C. L. & Nunes, J. E. L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, in “A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos”, Imprensa da Universidade, Vol. 2 – Recursos Geológicos e Formação, Coimbra, 2003.
  • [15] Gomes, C.L. & Nunes, J.E.L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, M. Portugal V. Ferreira (Coord.), A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos, Imprensa da Universidade Ed., Coimbra, 2003, pp. 85-109.
  • [16] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [17] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [18] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [19] Hurlbut, C.S. Jr. & Switzer G.S., Gemology, Johnn Wiley & Sons, Inc., 1979.
  • [20] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [21] Manutcherhr-Danai M., Dictionary of gems and geomology, Springer-Verlag, 2000.
  • [22] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [23] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [24] Smirnov, V. I., Ore Deposits of the USSR, Pitman Publishing, 1997.
  • [25] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [26] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento