e-escola

Fluorite Intermédio

Publicado em 02/03/2010 

Propriedades

Propriedades Físicas
Propriedades ópticas
  • Cor: incolor Player, branco Player, amarelo Player, verde Player, vermelho, azul Player, púrpura Player, violeta Player, lilás Player, rosa Player, castanho e preto. A cor é provocada pela presença de impurezas, inclusões ou defeitos estruturais, podendo ser alterada por irradiação com radiação X ou UV e pela temperatura ou pressão. Alguns dos elementos químicos responsáveis pela modificação de cor são: Y, Ce, Sm, Eu e Sr. As fluorites muito escuras (púrpura escuro Player, castanho, preto) encontram-se quase sempre na proximidade de fontes radioactivas
  • Patine: não
  • Risca: branca (independentemente das cores variadas)
  • Brilho: vítreo Player
  • Diafaneidade (transparência): transparente Player a translúcido Player (ver vídeo Player)
Forma e Hábito Comuns
  • Forma dos cristais: tipicamente euédrica, mas também subeuédrica a anédrica
  • Hábito: cristais bem formados (cúbicos Player, octaédricos Player, tetra-hexaédricos Player, combinações de diversas formas, etc.), massas compactas a granulares. São comuns as geminações de interpenetração Player de dois cubos segundo {111}, (ver modelo Player).
Propriedades Mecânicas
  • Dureza (Mohs): 4 Player
  • Clivagem: sim Player – octaédrica perfeita Player segundo {111}
  • Fractura: irregular
  • Densidade: 3.18 g/cm3 (forma cristalina) 3.01 a 3.60 g/cm3 (outras formas)
  • Tenacidade: quebradiço, frágil
Propriedades Químicas
  • Não é solúvel em água. A fluorite é ligeiramente solúvel em ácidos diluídos a frio, sendo atacada por ácido sulfúrico a quente. Quando pulverizada e tratada com ácido sulfúrico, decompõe-se em HF gasoso e CaSO4 (anidrite), o que constitui uma reacção fundamental para a produção de ácido fluorídrico.
Outras propriedades
  • Luminescência: fluorescente Player - frequentemente azul, mas também vermelha, púrpura, amarela, verde e branca
  • Triboluminescente - emite luz visível durante a sua trituração e pulverização
  • Termoluminescente - emite luz visível quando é aquecido
  • Radioactividade: não é radioactivo
Curiosidade
  • Teve origem nesta espécie o termo fluorescência, fenómeno de luminescência Player produzido quando um corpo é sujeito aos estímulos da radiação electromagnética, tais como a luz ultravioleta. Este efeito deve-se, em alguns casos, à presença de Y ou de matéria orgânica na sua estrutura cristalina.
Propriedades de diagnóstico
  • Reconhece-se facilmente quando cristalizada devido à forma cúbica ou octaédrica. Tem clivagem octaédrica e dureza 4. Paleta de cores diversificada, mas sempre com risca branca. Fluorescência. Testes químicos.
ScreenShot da Aplicação
Flash Icon
A visualização deste conteúdo requer a instalação do

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
 

Tópicos Relacionados

  • Lítio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 14/11/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Berílio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 06/11/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Flúor

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 05/07/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Magnésio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 19/10/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Enxofre

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 11/11/2009 | Tabela Periódica | Básico

  • Potássio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 12/11/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Ferro

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 10/04/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Nióbio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 20/11/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Bertrandite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 16/12/2009 | Minerais | Intermédio

  • Criolite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente; Ângela Miguel; Catarina Matos | 05/01/2010 | Minerais | Intermédio

  • Barita

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente; Natália Menezes | 09/06/2009 | Minerais | Intermédio

 

Referências Bibliográficas

  • [1] Bateman A., Economic Mineral Deposits, John Wiley & Sons Inc., 2ª Ed., 1951.
  • [2] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [3] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [4] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [5] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [6] Clark, A.M., Hey’s Mineral Index: Mineral Species, varieties and synonyms, 3ª. Ed., Chapman & Hall, 1993.
  • [7] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [8] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [9] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [10] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [11] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [12] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [13] Gaspar L. M. & Inverno C. M. C., 2000, Mineralogy and Metasomatic Evolution of Distal Strata-Bound Scheelite Skarns in the Riba de Alva Mine, Northeastern Portugal, 95, 6.
  • [14] Gomes, C. L. & Nunes, J. E. L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, in “A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos”, Imprensa da Universidade, Vol. 2 – Recursos Geológicos e Formação, Coimbra, 2003.
  • [15] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [16] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [17] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [18] Hurlbut, C.S. Jr. & Switzer G.S., Gemology, Johnn Wiley & Sons, Inc., 1979.
  • [19] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [20] Manutcherhr-Danai M., Dictionary of gems and geomology, Springer-Verlag, 2000.
  • [21] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [22] Pereira, M.F.C, Análise estrutural e mineralógica do aparelho pegmatítico de Pereira de Selão (Seixigal) - Vidago (N de Portugal), Tese de doutoramento em Engenharia de Minas, Departamento de Minas, IST-UTL, Lisboa, 2005.
  • [23] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [24] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [25] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento