e-escola

Criolite Intermédio

Publicado em 05/01/2010 

Composição

MinérioGlossário de F

Mineral industrialGlossário

Outros minerais de Flúor: Fluorite, Fluorapatite.

Nome: Criolite (Espato da Gronelândia)

Fórmula química: aluminofluoreto de sódio - Na3[AlF6]

Teor teórico em F: 54.28%

Nomenclatura: o nome deriva de dois termos gregos: Kryos (frio) e lithos (pedra); frequentemente denominada por pedra do gelo em alusão ao seu aspecto. O seu nome também manifesta a sua baixa temperatura de fusão, que se expressa na facilidade com que o mineral funde ao ser exposto à chama da vela.

Cristal de criolite com hábito pseudocúbico

Fig. 1 – Cristal de criolite com hábito pseudocúbico. É grande a semelhança com um bloco de gelo. Ivittuut, Sul da Gronelândia.

Composição química (Ref.): 32.41% Na; 13.01% Al; 54.28% F – Ref. Ivittuut (Gronelândia). Pode conter impurezas de Fe e Ca. O F pode ser substituído por OH.

Teor comum em F: 53.48% a 54.30%

Referências: identificado e descrito em 1799 (Scherer’s Journal – Leipzig), por Peter Christian Abildgaard, ao observar amostras provenientes de Ivittuut (Gronelândia). José Bonifácio d´Andrada publicou, em 1800, em fascículos na mesma revista e, no Journal de Physique, de Chimie, de Histoire Naturelle et des Arts (Paris), um estudo sobre a criolite do mesmo local. Esse estudo inclui a apresentação de novas espécies minerais: espodumena, petalite e escapolite (wernerite).

Variedades e gemas

Não existem variedades naturais, no entanto, existem duas variedades artificiais:

  • criolite amoniacal – (NH4)3AlF6 – descrita por G. Menzer em 1930.
  • criolite potássica – K3AlF6 – descrita por A. Duboin em 1892.

Devido à raridade do mineral, a criolite utilizada na indústria actual é, salvo muito poucas excepções, produzida artificialmente.

ScreenShot da Aplicação
Flash Icon
A visualização deste conteúdo requer a instalação do

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
  • Ângela Miguel
  • Catarina Matos
 

Tópicos Relacionados

  • Flúor

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 05/07/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Nióbio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 20/11/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Espodumena

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 28/10/2008 | Minerais | Intermédio

  • Petalite

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente | 03/09/2009 | Minerais | Intermédio

  • Barita

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente; Natália Menezes | 09/06/2009 | Minerais | Intermédio

 

Referências Bibliográficas

  • [1] A Jazida de Criolita da Mina Pitinga (Amazonas), ADIMB, 2005, http://www.adimb.com.br/publicacoes_amazonia/Indice/2.htm.
  • [2] Anthony J. W., Bideaux R. A., Bladh K. W., Nichols M. C., Handbook of Mineralogy, Mineral Data Publishing, Tucson Arizona, USA, 1990.
  • [3] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [4] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [5] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [6] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [7] Clark, A.M., Hey’s Mineral Index: Mineral Species, varieties and synonyms, 3ª. Ed., Chapman & Hall, 1993.
  • [8] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [9] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [10] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [11] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [12] Ferreira P., Pioneiros da Mineralogia em Portugal, Revista Colóquio/Ciências 10, artigo 5, 1992.
  • [13] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [14] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [15] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [16] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [17] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [18] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [19] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [20] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [21] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [22] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento