e-escola

Witherite Intermédio

Publicado em 29/06/2010 

Composição

MinérioGlossário de Ba

Mineral industrialGlossário

Outros minerais de Bário: Barita, Baritocalcite, Benstonite, Sambornite (silicato de Ba – quartzitos em zonas de metamorfismo de contacto).

Nome: Witherite

Fórmula química: Carbonato de Bário - BaCO3

Teor teórico em Ba: 69.59% (BaO 77.70%)

Nomenclatura: deriva do nome do físico e mineralogista Inglês William Withering (1741-1799).

Cristais pseudo-bipiramidais hexagonais incolores e translúcidos de witherite

Fig. 1 – Cristais pseudo-bipiramidais hexagonais incolores e translúcidos de witherite, com interpenetração escadeada. Anglezark, Chorley, Lancashire, Inglaterra.

Composição química (Ref.): (elementos) Ba 69.59%, C 6.09%, O 24.32%; (óxidos) BaO 77.70%, CO2 22.3%; Ref. Alston Moor, Cumberland, Inglaterra.

Teor comum em BaO: o teor em BaO pode variar bastante, em função dos catiões de substituição (séries isomórficas), nomeadamente o Sr e o Ca.

Referências: foi identificado por William Withering em 1789 e mais tarde nomeado Witherite por Abraham Gottlob Werner em sua homenagem. Este mineral era, até então, conhecido como Terra Ponderosa Aerata, cuja tradução literal é “Terra Pesada”.

Variedades e gemas: não são assinaladas variedades, embora apresente alguma variação composicional, ou gemas.

ScreenShot da Aplicacão
Flash Icon
A visualizacão deste conteúdo requer a instalacão do

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
  • Natália Menezes
 

Tópicos Relacionados

  • Ferro

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 10/04/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Magnésio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 19/10/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Barita

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente; Natália Menezes | 09/06/2009 | Minerais | Intermédio

 

Referências Bibliográficas

  • [1] Bateman A., Economic Mineral Deposits, John Wiley & Sons Inc., 2ª Ed., 1951.
  • [2] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [3] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [4] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [5] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [6] Clark, A.M., Hey’s Mineral Index: Mineral Species, varieties and synonyms, 3ª. Ed., Chapman & Hall, 1993.
  • [7] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [8] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [9] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [10] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [11] Ferreira, M. D., Silva, V., Lima, M. F. & Gomes, C.L., Anatomia de algumas ocorrências de gemas e seu enquadramento em protocolos de ordenamento territorial - contributo para uma reflexão sobre o estatuto dos depósitos gemíferos portugueses, Cad. Lab. Xeol., Laxe 24, 1999.
  • [12] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [13] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [14] Gomes, C. L., Estudo Estrutural e Paragenético de um sistema pegmatóide granítico. O campo aplito-pegmatítico de Arga-Minho (Portugal), Universidade do Minho, 1994.
  • [15] Gomes, C. L. & Nunes, J. E. L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, in “A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos”, Imprensa da Universidade, Vol. 2 – Recursos Geológicos e Formação, Coimbra, 2003.
  • [16] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [17] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [18] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [19] Hurlbut, C.S. Jr. & Switzer G.S., Gemology, Johnn Wiley & Sons, Inc., 1979.
  • [20] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [21] Manutcherhr-Danai M., Dictionary of gems and geomology, Springer-Verlag, 2000.
  • [22] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [23] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [24] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [25] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento