e-escola

Witherite Intermédio

Publicado em 29/06/2010 

Aplicações

Fonte de Ba: a witherite é uma fonte secundária de bário. O bário metálico simples ou em ligas tem poucas aplicações, das quais se destaca a utilização em ampolas de raios X, como lubrificante nos rotores de ânodos, e em dispositivos de remoção de gases.

O Carbonato de bário é uma substância tóxica

Fig. 7 – A ingestão de carbonato de bário (natural ou sintetizado) é extremamente perigosa. É necessário usar a máxima precaução no manuseamento deste mineral.

Compostos de Ba: o carbonato de bário, BaCO3, é o segundo composto de bário mais utilizado a seguir à barita. Outros sais de Ba são:

  • Peróxido de bário BaO2 (utilizado em alguns detergentes, estabilizante do PVC, aditivo nos lubrificantes de óleo, desidratação e desacidificação de gorduras, óleos e ceras);
  • Cloreto de bário BaCl2 (purificação de soluções salinas, endurecimento do aço e em fluxos de soldadura);
  • Nitrato de bário Ba(NO3)2 (utilizado em pirotecnia e em balas traçadoras, produzindo uma chama de cor verde);
  • Sulfato de bário BaSO4;
  • Clorato de bário Ba(ClO3)2.

A produção da maioria dos compostos de bário inicia-se com a redução do sulfato a sulfureto de Ba, em forno rotativo, a cerca de 1250-1300 ºC, adicionando-se carvão moído. Os restantes compostos são produzidos a partir do sulfureto de bário, envolvendo diversas reacções químicas e purificações. A maior parte do carbonato de bário utilizado na indústria não é de origem natural.

As diferentes formas de utilização do carbonato de bário são:

Eflorescência em tijolos

Fig. 8 – O carbonato de bário natural ou sintetizado é utilizado na prevenção da formação de sais em diversos produtos da indústria do barro vermelho.

  • Na indústria do vidro
  • Na indústria do barro vermelho e dos produtos argilosos
  • Em compostos químicos (granulometria fina, altamente reactiva)
  • Na Saúde
  • A reacção a quente do carbonato de bário com o óxido de Fe forma ferrites de bário. Estas podem ser utilizadas, por exemplo, como ímanes em pequenos motores ou em dispositivos de segurança anti-roubo, etc.
  • O titanato de bário, obtido a partir do carbonato de bário e de titânio, é outro composto muito interessante, pelas suas propriedades ferroeléctricas e elevada constante dieléctrica (transdutores de dispositivos ultrasónicos, sonares).
Carbonato de bário utilizado em ecrã de TV

Fig. 9 – O carbonato de bário é utilizado em muitos equipamentos do dia-a-dia (ecrãs de TV e de monitores).

Concentrados minerais

Ao contrário da barita, que tem inúmeras aplicações directas na indústria, a witherite tem um espectro de aplicações muito mais limitado: é utilizada nas indústrias do barro vermelho (tijolos, tijoleiras, telhas, manilhas, etc.) e da construção (alvenarias) para prevenir a formação de eflorescências (sais solúveis, como carbonatos de Ca e Mg, e sulfatos), que para além de conferirem mau aspecto aos produtos culminam na sua deterioração.

A adição de carbonato de bário é utilizada para estabilizar as lamas de sondagem com barita nos furos de petróleo, quando se intersectam níveis de minerais solúveis, como é o caso do gesso. O carbonato de bário obriga o gesso a precipitar, estabilizando a suspensão de barita.

Outra aplicação do carbonato de bário é como agente de purificação de salmouras (soluções fortemente salinas) na importante indústria do cloro e dos alcalis.

Curiosidade

A utilização de alguns compostos químicos em componentes da TV previnem a exposição a radiações perigosas durante a visualização prolongada. A radiação X produzida pela TV é absorvida recorrendo a pequenas quantidades de óxidos de metais pesados (Pb, Ba e Sr) que são incorporados em vidros especiais. Junto à ampola utiliza-se vidro especial com chumbo e nos ecrãs utiliza-se vidro especial enriquecido em bário.

Autor e Créditos

Autor:

  • Manuel Francisco Pereira
  • Elsa Vicente
  • Natália Menezes
 

Tópicos Relacionados

  • Ferro

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 10/04/2008 | Tabela Periódica | Básico

  • Magnésio

    Grupo de Produção de Conteúdos de Química | 19/10/2007 | Tabela Periódica | Básico

  • Barita

    Manuel Francisco Pereira; Elsa Vicente; Natália Menezes | 09/06/2009 | Minerais | Intermédio

 

Referências Bibliográficas

  • [1] Bateman A., Economic Mineral Deposits, John Wiley & Sons Inc., 2ª Ed., 1951.
  • [2] Blackburn, W.H. & Dennen W.A., Principles of Mineralogy, Second Edition, Wm. C. Brown Publishers, 1994.
  • [3] Carneiro F.S., Potencialidades Minerais da metrópole, base firme de desenvolvimentos industrial do país, Arquivos da Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos, 1971.
  • [4] Celso S. & Gomes F., Minerais Industriais: Matérias Primas Cerâmicas, Instituto Nacional de Investigação Científica, Aveiro, 1990.
  • [5] Cerný, P., Short Course in Granitic Pegmatites in Science and Industry, Ed. P. Cerný. Mineralogical Association of Canada Short Handbook, 1982.
  • [6] Clark, A.M., Hey’s Mineral Index: Mineral Species, varieties and synonyms, 3ª. Ed., Chapman & Hall, 1993.
  • [7] Constantopoulos, J.T., Earth Resources Laboratory Investigations, Prentiss-Hall, 1997.
  • [8] Dud’a, R. & Reij.L, A Grande Enciclopédia dos Minerais, Editorial Inquérito, 1994.
  • [9] Edwards, D. & King, C., Geocience: Understanding Geological Processes, Hodder & Stoughton, 1999.
  • [10] Enciclopédia Minerais e Pedras Preciosas, RBA Editores, 1993.
  • [11] Ferreira, M. D., Silva, V., Lima, M. F. & Gomes, C.L., Anatomia de algumas ocorrências de gemas e seu enquadramento em protocolos de ordenamento territorial - contributo para uma reflexão sobre o estatuto dos depósitos gemíferos portugueses, Cad. Lab. Xeol., Laxe 24, 1999.
  • [12] Gaines R., Skinner H., Foord E., Mason B., Rosenzweig A., Danas’s New Minerology, 8ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1997.
  • [13] Galopim de Carvalho, A.M., Sopas de Pedra: De Mineralibus, I, Gradiva Publicações Lda., 2000.
  • [14] Gomes, C. L., Estudo Estrutural e Paragenético de um sistema pegmatóide granítico. O campo aplito-pegmatítico de Arga-Minho (Portugal), Universidade do Minho, 1994.
  • [15] Gomes, C. L. & Nunes, J. E. L., Análise paragenética e classificação dos pegmatitos graníticos da cintura hercínica centro-ibérica, in “A Geologia de Engenharia e os Recursos Geológicos”, Imprensa da Universidade, Vol. 2 – Recursos Geológicos e Formação, Coimbra, 2003.
  • [16] Harben, P.W. & Bates, R.L., Industrial Minerals, Geology and World Deposits. Industrial Minerals Division, Metal Bulletin PLC, London, 1990.
  • [17] Harben, P.W. & Kuzvart, M., Industrial Minerals, A Global Geology. Industrial Minerals Information Ltd, Metal Bulletin PLC, London, 1996.
  • [18] Hurlbut, C.S. Jr., Les Minéraux et L’ Homme, Éditions Stock, Paris, 1969.
  • [19] Hurlbut, C.S. Jr. & Switzer G.S., Gemology, Johnn Wiley & Sons, Inc., 1979.
  • [20] Klein, C. & Hurlbut C.S., Manual of Mineralogy (after James D. Dana), Revised 21ª. Ed., John Wiley & Sons, Inc., 1999.
  • [21] Manutcherhr-Danai M., Dictionary of gems and geomology, Springer-Verlag, 2000.
  • [22] Mendes, H. S. & Silva, M. I., Mineralogia e Petrologia – Segundo as lições do Prof. Eng. Luís Aires de Barros, Edição da Secção de Folhas da A.E.I.S.T., 1965.
  • [23] Putnis, A., Introduction to mineral sciences, Press Syndicate of the University of Cambridge, 1992.
  • [24] Staff of U.S. Bureau of Mines, Mineral Facts and Problems, 1985 Edition, Bulletin 675, United States Department of the Interior, 1956.
  • [25] Velho J., Gomes C. & Romariz, Minerais Industriais, Geologia, Propriedades, Tratamentos, Aplicações, Especificações, Produções e Mercados, Gráfica de Coimbra, Coimbra, 1998.
 

Para comentar tem de estar registado no portal.

Esqueceu-se da password?

© 2008-2009, Instituto Superior Técnico. Todos os direitos reservados.
  • Feder
  • POS_conhecimento